Divulgação Científica

 
A Educação Ambiental possibilita vivências, diálogos de saberes, trocas de experiências e amplia a observação e o relacionamento com o mundo. Saber ouvir os pássaros e despertar com os seus cantos. Sentar na sombra da planta mãe da restinga e compreender as interações entre os vegetais e os animais que possibilitam a formação de moitas. Observar lentamente o beijo da ave na flor de bromélia. Seguir as pegadas dos animais e encontrar um ratinho indígena. Imaginar as raízes se espalhando pelos grãos da restinga em busca de água, promovendo associações com fungos e pequenos animais. Se assustar com o sumiço do lagarto teiú, engolido pela mandíbula voraz do seu predador. Tudo isso são experiências de vida.  
O papel da Educação Ambiental é promover essas infinitas possibilidades de encontro com a natureza e criar espaços para a troca de experiências de maneira horizontal. Como disse Paulo Freire, patrono da educação brasileira, “não existe saber mais, ou saber menos, há saberes diferentes”. Da mesma maneira, Boaventura de Souza Santos (2010, p. 53) nos oferece caminhos pela trilha do saber, ao confrontar a “monocultura da ciência moderna com uma ecologia de saberes”. Para ele, a “ecologia de saberes” traz a ideia da diversidade de conhecimento sobre o mundo. Mia Couto, biólogo africano e contador de histórias, entra em diferentes dimensões para apresentar os personagens da terra. 
O Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba traz uma diversidade de possibilidades de interações com os diferentes saberes. São quilombolas, assentados, pescadores, fazendeiros, agricultores, crianças e ancestrais, que dividem o mesmo território. Pensar em um cinema ambiental freireano, que busca o diálogo e exercita a escuta atenta do outro é a base inspiradora para os filmes do projeto “Personagens do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba” executado no Programa de Pesquisas Ecológicas de Longa Duração – PELD, das Restingas e Lagoas Costeiras do Norte Fluminense, o Sítio 5 do PELD brasileiro. 
Filmes que contam as histórias das pessoas com o território da Unidade de Conservação (UC) e trazem saberes e vivencias para serem compartilhadas na formação dos estudantes do curso de Graduação em Ciências Biológicas e da Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Conservação. Nessa proposta de encontro, todos são professores e experimentam um espaço para interação para produzir algo em comum, uma escrita com imagens. Filmes que funcionam como pesquisa de campo, que estimulam reflexões teóricas em forma de escritas acadêmicas, apresentadas em congressos, publicadas em forma de artigos científicos e livros. Filmes que educam, que são usados em escolas, universidades, em cursos online do Ministério do Meio Ambiente e que rompem fronteiras políticas pela rede. 
Foram produzidos pelo PELD Sítio 5, até outubro de 2017, dez filmes que apresentam relações distintas na UC, como a memória, o direito de pescar, as disputas econômicas e jurídicas, a luta pelo direito à moradia, o papel da ciência no estudo sobre a biodiversidade, educação ambiental e as relações de conflito no território.
A proposta em 2018 e 2019 é criar novos formatos de linguagem, buscando a interação com os seres (humanos e não-humanos) que habitam e transitam pelas naturezas do Parque. Outras vertentes da Educação Ambiental são estimuladas pelo PELD Sítio 5, como a abertura da universidade para ações de visitação guiada visando a divulgação da biodiversidade da região norte fluminense.
A elaboração de material didático-científico pelos pesquisadores envolvidos no projeto, como a publicação de um livro com os resultados consolidados, visando uma síntese do conhecimento produzidos nas últimas décadas de atividade do PELD Sítio 5, poderá subsidiar a gestão da Unidade de Conservação e ampliar as informações sobre este importante projeto.
 
Divulgação científica
 
No Brasil e no Mundo, Universidade e Sociedade cada vez mais estão interconectadas através de pontes de saberes. Além de estimular a diversidade no meio acadêmico e aproximar cientistas e professores à realidade prática, essa conexão também engaja o cidadão a assumir seu lugar no processo de construção de conhecimento científico. Assim, ações para uma ciência participativa, colaborativa ou cidadã são bastante comuns em projetos, especialmente aqueles relacionados a diversidade biológica, onde o cidadão com suas escolhas cotidianas é um importante ator. Para que este papel seja bem desempenhado, os cidadãos devem dispor de meios, como exposições e oficinas pedagógicas, que os sensibilizem e conscientizem sobre a sua função no ambiente em que vivem. É a divulgação científica que estimula a aprendizagem, a valorização do conhecimento e o senso de responsabilidade dos cidadãos.
Em relação aos parques nacionais, a divulgação científica é a principal ferramenta para a comunicação entre os espaços naturais e os humanos: funcionários e conselheiros do parque, coletividades locais, comunidade científica e público em geral. Em relação ao Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba diversas ações tem sido realizadas pelo NUPEM / UFRJ-Macaé visando à divulgação científica. Podendo-se citar como principais ações:
Projeto Ecolagoas, parceria de longa data com a Petrobras que visou a formação continuada de professores do Ensino Fundamental e Médio da região;
Projeto Scientificarte, que desde 2007 realiza através de oficinas lúdicas, artísticas e culturais realiza a difusão de conhecimentos científicos sobre a diversidade biológica da região para as crianças e jovens da região. Como exemplo, a oficina do teatro de marionetes que contou a história “Viagem do Scientificarte pelo Reino das Águas Claras e Escuras”, uma referência a obra de Monteiro Lobato e as águas claras e escuras das diferentes lagoas do Parna Jurubatiba.
Projeto dos Personagens do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, conduzida pelo Coletivo de Pesquisa em Cinema Ambiental (CUCA), que realiza oficinas audiovisuais e produz filmes sobre os “saberes tradicionais” do Parna Jurubatiba tendo como atores e produtores a própria população do Parque e os pesquisadores e discentes do NUPEM / UFRJ-Macaé.
Espaço Ciência do NUPEM, inaugurado em 2008, originalmente financiado pela FAPERJ através do edital “Difusão e Popularização da Ciência e Tecnologia no Estado do Rio de Janeiro”, é um importante espaço não-formal de educação ambiental, principalmente de conceitos de conservação e ecologia dos ecossistemas costeiros da região, alem de difundir a pesquisa científica e a diversidade biológica do Parna Jurubatiba, entre outros ecossistemas da região.
Assim mecanismos para a educação ambiental e divulgação científica do PELD Sítio 5 tem sido ampliados e compartilhados em torno deste importante ecossistema da nossa região.
 
Sinopses dos filmes produzidos pelo PELD Sítio 5
 
Areia de Quissamã, 13’41’ 
A relação de amor de uma senhora de 70 anos com o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba. O filme aborda o aspecto histórico da vida da Dona Leninha, além de registrar o seu envolvimento com a preservação da natureza e com o registro da memória local, Quissamã (RJ).
 
Jorge poema - 14’39’’
Jorge, filho caçula de uma família de pescadores e agricultores, semianalfabeto, torna-se um poeta da natureza. Foi após a criação do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, situado na região Norte Fluminense, que Jorge começa a se destacar como interlocutor entre os pescadores e o plano de manejo imposto pelo governo.
 
Retira-te 15’20’’
Retira-te. Após a criação do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, o empresário e fazendeiro Satiro Fogaça de Araújo vê o seu sonho, a construção da Fazenda Retiro, se transformar em uma luta com a justiça. A disputa pela indenização já dura aproximadamente quinze anos
 
Um dia novinho em folha 22’52’’
Um dia novinho em folha é o registro do Ilzimar Bandeira Rodrigues, conhecido como IBR. Um cineasta amador e professor da rede pública. A fórmula deste educador é uma folha em branco, lápis de cor, crianças, o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba e muita criatividade. Assim ele vai preenchendo o branco do Bairro Lagomar.
 
Memórias da restinga 16’15’’
Neste documentário, três amigos de infância, Zeca de Canjica, Democa e seu Domingos, compartilham suas memórias cotidianas, fruto de 80 anos de convívio e interação com a restinga de Quissamã-RJ, há quinze anos transformada em Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba.
 
Os Bamba 18’11’’
Enraizados e entocados no território do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, Capitão do Mato e Dona Maria vivem um cotidiano cercado das luzes da natureza e dos conflitos com as novas leis ambientais.
 
Espelho d’água
No embalo do balé. O ponto de vista de uma adolescente de um bairro periférico em relação ao projeto com significativo impacto ambiental.

 

 

Grupo de Divulgação Científica

 

 

Rafael Nogueira Costa (rafaelnogueiracosta@gmail.com)

Lattes: http://lattes.cnpq.br/3549398535970321

 

Christine Ruta (christineruta@gmail.com)

Lattes: http://lattes.cnpq.br/5743254140666876

 

Pablo Rodrigues Gonçalves (hotprg@gmail.com)

Lattes: http://lattes.cnpq.br/5388683684010000